Hoje você está com crédito! Como é bom ouvir essa frase, é sinal que estamos ‘com moral’, que fizemos algo que nos rendeu frutos, que a pessoa confia em nós. No mercado financeiro, quando temos crédito, significa termos o poder de adquirir dinheiro junto a uma instituição financeira para podermos antecipar a conquista de algum desejo ou resolver uma necessidade. Por exemplo, uma viagem, a compra de um carro ou mesmo da casa própria. É muito bom ter “crédito na praça”.

Mas, utilizar crédito requer uma série de cuidados e muito planejamento para que a realização do sonho não se transforme em um grande problema financeiro no futuro. Muitas pessoas hoje se encontram em situação delicada, muitos casais entram em conflitos e muitos sonhos são adiados por conta de problemas começados com a aquisição de um crédito sem planejamento. O problema, geralmente, acontece quando o endividamento, ou seja, o valor adquirido de crédito junto a uma instituição financeira é superior à sua capacidade de pagamento ao longo do tempo acordado.

É preciso deixar claro que, ao contrário do que algumas pessoas possam pensar, o crédito é bom. É um fator importante para o crescimento da economia de um país, pois estimula a atividade econômica e, uma ferramenta crucial em alguns momentos de nossa vida. O crédito pode representar uma oportunidade única. Aquela pessoa que toma o crédito para estudar e arrumar um melhor emprego ou para comprar um carro e este automóvel é muito importante em seu trabalho. O crédito é importante para alavancar a economia, movimentar a indústria e criar empregos.

Mas, precisamos sempre lembrar que, para nos antecipar o dinheiro, a instituição – seja um banco ou uma financeira – cobra juros, pois essa é a forma de ter rentabilidade com essa antecipação de valores.

Os juros cobrados vão depender de uma série de fatores. São eles:

  1. A forma de crédito que você vai adquirir
  2. Seu histórico de bom pagador no mercado financeiro e na instituição específica
  3. Prazo total do empréstimo

Principais modalidades de crédito no Brasil:

  • Empréstimo Pessoal
  • Cartão de Crédito
  • Cheque Especial
  • Crédito Consignado
  • Crédito Imobiliário
  • Crédito Direto ao Consumidor (CDC)
  • Crédito Educacional
  • Crédito Rural

Cada modalidade tem suas características e juros. O problema, geralmente, começa quando a pessoa solicita o crédito errado para sua necessidade. Por exemplo, o cheque especial e o cartão de crédito têm os maiores juros das modalidades citadas. Imagine uma pessoa que vai comprar um carro e toma de crédito R$ 10 mil no cheque especial para comprá-lo ao invés de usar o CDC. Essa pessoa pode pagar até 6 vezes mais de juros apenas por se utilizar da modalidade errada.

Outro erro comum é pegar valores muito altos e dividir em poucas vezes. Um valor de prestação maior do que a capacidade de pagamento ocasionará o atraso e muitas vezes essa situação se complica e vira uma bola de neve difícil de resolver. Cuidado para não dar um passo maior do que as pernas. Avalie se você vai conseguir honrar aquela dívida, coloque no papel as contas que você já tem e veja seu orçamento. Apenas depois disso adquira o crédito.

Uma dica importante é pesquisar os menores juros em diferentes modalidades de crédito que atendam sua necessidade e em diferentes instituições financeiras. Em crédito, a pesquisa de mercado também é fundamental.

Se você se interessou pelo assunto, veja esse vídeo produzido pela BM&FBovespa: